Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavras ao vento

Palavras ao vento

NIght Run Seaside Cidade de Vendas Novas

cartaz night run (2).jpg

 

Em Vendas Novas, o Dia da Mulher comemora-se com a Night Run Seaside

Está quase a chegar a sétima edição da Night Run Seaside de Vendas Novas, prova que pretende comemorar o Dia Internacional da Mulher, homenageando o universo feminino através da prática de atividade física, mas onde os homens também são bem-vindos!

Este ano, a iniciativa decorre a 13 de março, com concentração marcada para as 21h00, junto ao Parque Desportivo Municipal. As participantes dos 100m de salto alto são as primeiras a experimentar o piso. E como são corajosas essas atletas! Parece fácil, mas chegar ao fim sem cair de saltos de pelo menos 4 cm, é um desafio só ao alcance de algumas!

Segue-se a partida da caminhada e, pelas 21h45, será dado o tiro de partida para a corrida, que terá como novidade o facto de o percurso ter sido aumentado para 7 km. Pode ser mais exigente mas o facto de o conseguir terminar também é mais satisfatório!

Todos os participantes recebem t-shirt técnica de manga comprida e ofertas dos patrocinadores. Os atletas que terminem os 7 km de corrida terão também a sua medalha comprovativa do feito. Haverá animação no percurso e, para as mais rápidas, prémios Seaside.

Todos juntos, vão ainda contribuir para ajudar a “Make a Wish” a concretizar desejos de crianças e jovens com doenças graves. Para isso, basta fazer a sua inscrição em https://werun.pt/eventos/night-run-seaside/ ou no Serviço de Desporto (Piscinas Municipais). Até dia 2 de março, têm um custo de 3 euros e, entre os dias 3 e 6, custam 4 euros. Os 100m de salto alto não têm custo acrescido, mas é obrigatório estar inscrito na corrida ou caminhada.

A Night Run Seaside é organizada pelo Município de Vendas Novas; o patrocínio ofical é da Seaside; viatura ofical é Etelgra/Toyota; a água oficial é Vitalis; tem o apoio da Prozis, Saforelle, HC Spa & Zen; organização técnica da Werun e Associação de Atletismo de Évora; colaboração da GNR e Bombeiros Voluntários de Vendas Novas e tem como media partner a Running Magazine, o Praticante e a Granada FM.

 

 

Entrevista Teatro Metaphora

Primeiro que tudo quero parabenizar-vos pelo vosso projeto e agradecer por me terem dado a honra de me concederem esta entrevista para o meu blogue, e dar a conhecer melhor o vosso projeto aos nossos leitores.

transferir.jpg

 

André Ferreira- Quando é que foi criado o Teatro Metaphora?

Teatro Metaphora- Formalmente, a associação foi registada no dia 3 de setembro de 2009.

 

André Ferreira- Quais são os principais projetos que o Teatro Metaphora tem presente?

Teatro Metaphora- A nossa ação pode ser agrupada em três áreas distintas:

a) produção de espetáculos de teatro, promoção e participação em atividades culturais em torno de várias disciplinas artísticas, contribuindo assim para o desenvolvimento e disseminação do património cultural;

b) organização de projetos, seminários e formações nacionais e internacionais, no âmbito de programas locais, nacionais e europeus (Erasmus + e Corpo Europeu de Solidariedade);

c) como resultado de uma Iniciativa Jovem, desenvolvemos uma ampla gama de atividades e workshops relacionados ao património natural, reciclagem, mudança climática, tópicos de melhores práticas ambientais.

 

André Ferreira- Qual a vossa principal missão, e em que se baseiam os vossos valores?

Teatro Metaphora- É desenvolver competências sociais e pessoais de crianças, jovens e adultos com base nos princípios da educação não formal. O nosso propósito corresponde à realização de um projeto sociocultural, gerador de ideias, de energias, de sentimentos, através de uma programação diversificada em géneros, formas e expressões artísticas contemporâneas, pensada a partir dos desejos e desafios culturais dos diferentes segmentos de públicos.

 

André Ferreira- Podem contar um pouco mais sobre a vossa história?

Teatro Metaphora- Brevemente completaremos 10 anos. No início, um grupo de amigos decidiu juntar-se e começar produzir peças de teatro. Os primeiros anos foram apenas dedicados ao teatro, e apresentámos algumas peças. Foi muito difícil, uma vez que não dispúnhamos de espaço para ensaiar, guardar materiais, reunir, etc. Andávamos sempre com a tralha de um lado para outro. Entretanto, a partir de 2013, enveredamos por outras atividades, sobretudo relacionadas com a temática da sustentabilidade. Também começámos a organizar atividades de mobilidade juvenil, como intercâmbios, voluntariado, seminários, entre outras modalidades nas quais os participantes viajam para outro país e vivenciam experiências de educação não-formal incríveis.

 

André Ferreira- Vocês têm cerca de 232 voluntários, todos eles são artistas de teatro?

Tetaro Metaphora- Parte dos nossos associados estão ligados ao teatro. Quando começámos, apenas nos dedicávamos ao teatro. Depois fomos abrindo espaço para outras áreas. Esse número corresponde a pessoas que colaboram, ou já colaboraram de forma regular.

 

André Ferreira- Quem quiser visitar-vos podem encontrar-vos onde?

Teatro Metaphora- Estamos sediados na Rua São João de Deus, n.º5, em Câmara de Lobos. Futuramente, iremos ser transferidos para o Ilhéu de Câmara de Lobos.

 

André Ferreira- Estão inseridos no projeto Erasmus, em que consiste este projeto?

Teatro Metaphora- O Erasmus+ é o programa da UE para a educação, formação, juventude e desporto. O programa Erasmus+, que se prolonga até 2020, não oferece apenas oportunidades aos estudantes. Com efeito, resultante da fusão de sete programas anteriores, este programa alarga as oportunidades a uma grande variedade de pessoas e organizações: oportunidades de estudo, formação, aquisição de experiência e voluntariado no estrangeiro.

 

André Ferreira- Têm neste momento 497 árvores plantadas, em que termos se insere este projeto das árvores plantadas?

Teatro Metaphora-Plantar árvores é algo que faz muita falta. No nosso contexto insular, muitas montanhas estão desertificadas e expostas à erosão. Acreditamos que a reflorestação é uma prioridade.

 

André Ferreira- Qual a maior razão de terem criado o projeto Teatro Metaphora?

Teatro Metaphora- A maior razão teve a ver com a vontade de um grupo de amigos em se juntar em torno de causas e projetos. Quisemos dar por bem empregue o nosso tempo livre, ultrapassar a rotina.

 

André Ferreira- Vocês também estão presentes com o projeto oficinas de reciclagem. Podiam falar-nos mais sobre este projeto?

Teatro Metaphora- Nós transformamos objetos usados que iriam para o lixo, noutros objetos com utilidade e atrativos. Tem sido um projeto muito interessante. Uma vez reunimos mais de 100 tambores de máquina de lavar roupa, e fizemos candeeiros para a rua. Ficou magnífico.

 

Andre Ferreira- Quem se quiser dar como voluntário como o pode fazer?

Teatro Metaphora- Basta manifestar o seu interesse, e estar atento às oportunidades que vamos anunciando.

 

André Ferreira- Existe algum requisito obrigatório para trabalhar convosco?

Teatro Metaphora- Nada de especial. Apenas que respeitem os colegas e que sejam cooperantes. Havendo respeito, o resto é fácil.

 

André Ferreira- Quais são as peças de teatro que vão estrear brevemente?

Teatro Metaphora- Brevemente iremos preparar uma adaptação das crónicas “A Vida como ela é”, de Nelson Rodrigues.

 

André Ferreira- Gostaria de deixar algum convite aos nossos leitores?

Teatro Metaphora- Apenas gostaria de reforçar que é sempre muito gratificante quando estamos envolvidos em atividades. Conhecemos pessoas, fazemos coisas benéficas para a comunidade, e isso tem retorno a nível individual também. Portanto, saiam da vossa zona de conforto e sejam participativos.

Entrevista com a Cristina Silva da Dobermann Rescue Portugal

20170327_131913.jpg

André Ferreira- Cristina Silva primeiro que tudo deixa-me dizer-te que tenho um grande orgulho no trabalho que tu fazes, depois dizer-te como eu te conheço é uma honra ter a oportunidade de puder entrevistar-te para o meu Blogue e tenho a a certeza que pela paixão que nutres pela raça Dobermann e pelos teus cães, sem dúvidas que vai ser uma excelente entrevista. Muito Obrigada por teres aceite este convite!

Cristina Silva- Olá André! Muito obrigada pela oportunidade!

É sempre gratificante quando alguém valoriza o nosso trabalho, e neste caso tem um significado especial para mim, porque “ lutar” pela raça Dobermann é realmente a minha missão de vida.

 

André Ferreira- Cristina quando é que surgiu a tua paixão pela raça Dobermann?

Cristina Silva- A minha paixão pelos Dobermanns surgiu há mais de 30 anos, era eu muito novinha, e vivia na ilha de S.Miguel, nos Açores. Os Dobermanns não eram nada comuns lá, e eu apaixonei-me pelo aspecto daqueles dois Cães fantásticos que eu via espreitar pelo gradeamento de uma quinta! Percebi desde o primeiro dia que os vi, que tinha partilhar a minha vida com um cão daqueles. Até ter o meu primeiro Dobermann pesquisei muito e então o carácter deles conquistou o meu coração.

IMG_20190512_163910-01.jpeg

André Ferreira- Que projeto é este Dobermann Rescue Portugal?

Cristina Silva- O Dobermann Rescue Portugal é o concretizar de um sonho! Foi a forma que eu arranjei de defender e lutar pela “minha raça”! Através do Rescue pretendemos educar mentalidades quer seja em relação ao cão em si, criadores, criadeiros, e ajudar Dobermanns que por alguma razão foram “descartados”, a encontrarem amor e serem tratados com dignidade até ao fim das suas vidas.

67251870_965113017175183_2636333028879630336_n.png

 

 

André Ferreira- O que representa para ti a raça Dobermann?

Cristina Silva- Os Dobermanns para mim, neste momento, são a minha vida! Eu vivo para os meus cães e para os “miúdos” do Rescue. Eu até costumo dizer em tom de brincadeira, que não tenho tempo para trabalhar, que só trabalho porque no final do mês até dá “jeito”… rsrsrs No geral, e na minha humilde opinião, esta raça representa o ideal de Cão. É uma raça muito completa.

Tudo o que tu sonhas num cão, tu encontras no Dobermann!

IMG_20180513_154113-02_wm.jpeg

André Ferreira- Para muitas pessoas a raça Dobermann ainda é vista como uma raça de cães potencialmente perigosa, apesar de nós sabermos que isso não tem qualquer veracidade, uma vez que esta raça nem sequer está incluída nos cães de raça potencialmente perigosas. O que tens a dizer sobre isso?

Cristina Silva- Tenho pena que muitas pessoas falem daquilo que desconhecem.

Se as pessoas se dessem ao trabalho de tentar conhecer a raça, por exemplo ouvindo testemunhos de quem convive com eles de perto, quase 24h/dia, garanto que as opiniões mudariam drasticamente.

received_1300391046691538.jpeg

André Ferreira- Como é o Dobermann como cão de guarda?

Cristina Silva- O Dobermann como guarda é excelente! Mas é um “desperdício” para guardar armazéns, terrenos, ou fábricas. Ele nessas situações irá guardar obviamente, e desempenhará o seu papel muito bem, mas o Dobermann foi criado para guarda pessoal, para “guardar”/proteger o seu dono (única raça criada com esse propósito)!

Portanto se queres ver um Dobermann a guardar com 200 por cento de foco, de empenho, de dedicação, educa-o em casa, como cão de família, e se for preciso ele dará a sua vida por ti!

IMG_3960.jpg

André Ferreira- Tenho conhecimento que já estives-te em algumas feiras, onde quem te visita pode não só ver os teus cães como pode tirar algumas curiosidades sobre a raça. Neste momento onde são as feiras ou os locais onde te vais encontrar e as pessoas te podem visitar?

Cristina Silva- Sim, nas feiras temos sempre alguns cães para as pessoas conhecerem e desmistificar a má imagem da raça, estamos sempre disponíveis também para esclarecer todas as dúvidas que possam ter sobre a raça, e temos a nossa “banquinha solidária” com o objectivo de angariar fundos para a associação!

As próximas feiras que já temos agendadas são o Animalfest – dia 8 Setembro em Loures, Festa Animal da Póvoa Sta Iria – dia 15 Setembro, e a Festa Animal de Oeiras dias 5 e 6 Outubro.

Podem ainda nos surgir outras, mas nesses casos anunciamos na nossa página no Facebook.

67113879_377588522900845_2217294776573624320_n.png

 

André Ferreira- Qual é a tua opinião sobre os criadores?

Cristina Silva- Os criadores são essenciais para a preservação das raças! Sou 200 por cento a favor dos criadores. Eu sou é contra os criadeiros! Pessoas que fazem ninhadas sem nenhum cuidado de saúde, que apenas juntam um macho e uma fêmea, sem o objectivo de contribuir para a evolução da raça! São pessoas que fazem ninhadas apenas por dinheiro. Nem se pode chamar a isso “criar”, é mais “destruir” aquilo que os criadores éticos lutam todos os dias. Um criador não vive dos cães, vive para os cães!

Criar é uma arte, e infelizmente existem muito poucos “artistas”!

received_1438030569594251-01.jpeg

André Ferreira- Onde é que se encontram os cães que estão à tua guarda?

Cristina Silva- Os cães à minha guarda, à guarda do Rescue, estão em famílias de acolhimento temporário, espalhadas de norte a sul do país. Eu inclusive sou uma destas famílias. Neste momento tenho duas “miúdas” a viver comigo e com a minha matilha.

 

André Ferreira- Por fim pergunto-te quem quiser ter um cão da raça Dobermann, qual seria o teu conselho para essa pessoa?

Cristina Silva- Quem tem o objetivo, o sonho, de ter um Dobermann, o meu conselho é antes de mais perceber se esta é realmente a raça indicada para essa pessoa. Deve “estudar” o mais possível sobre a raça.Pedir opiniões junto de quem tem Dobermanns, perceber as suas exigências, etc. E depois se realmente for para adquirir um, que o faça com um BOM criador!

Para comprar a um criadeiro, realmente mais vale não ter!

Na impossibilidade de adquirirem a um criador (muitas vezes as pessoas não têm 1000/1500 eur para dar por um cão), então sugiro que adoptem um dos que infelizmente cada vez mais surgem à procura de uma nova família.

Acho que adquirir um Dobermann, assim como qualquer outro cão, tem de ser um acto reflectido.

Neste caso a raça é sem dúvida a melhor do mundo, mas se não for adquirida, educada e mantida correctamente, facilmente pode se transformar numa grande dor de cabeça.

Quem quiser mais Informações, ou conhecer melhor o nosso trabalho pode sempre visitar a nossa página de Facebook ( https://www.facebook.com/DobermannRescuePT/ ) ou contactar-nos por mensagem privada.

 

André Ferreira- Agradecer-te uma vez mais a oportunidade de conhecermos melhor este teu projeto e desejar-te toda a sorte do mundo!

Cristina Silva- Muito obrigada mais uma vez pelo convite!

 

 

Cristina Silva

Presidente Associação Dobermann Rescue Portugal

 

 

Meditação para superar a Inércia

 

o-poder-invisivel-da-inercia-e-como-livrar-se-dela

Diga para si mesmo:

Eu sou mais do que isto! O meu pensamento sabe aquilo que eu preciso para melhorar a minha sáude, e enquanto o meu corpo diz fica, o meu pensamento diz que tenho de ir!

Mas quase sempre a vontade do meu corpo é muito mais forte que a vontade do meu pensamento.

Eu hoje digo sou capaz de seguir os meus pensamentos, sou mais forte do que isto, não quero ser isto, quero ser mais e lutar pela minha saúde!

Eu não sou isto eu sou mais! Eu sei que sou muito mais que isto e sei que todos dias posso dar o meu melhor e sair para fazer exercício, nem que seja por 30 minutos!

Pois é melhor para mim fazer exercício esses 30 minutos, do que estar um dia inteiro no sofá a ver televisão!

Agora diga para si:

A partir de agora vou mudar. Mesmo que por vezes os movimentos do meu corpo possam estar presos, eu vou liberta-los, e seja a correr, ou seja a caminhar, eu vou fazer exercício e mudar a minha alimentação. 

Agora pergunte-se porquê?

Porque você quer ser saudável aprender a comer bem, olhar para o espelho ver-se a si e poder dizer para si mesmo: Eu amo-me, e amo-me como sou!

Sugestão de Leitura Em Legitima Defesa

 

350x.jpg

Onde o Aborto não é um tema muito consensual entre as pessoas, onde uns defendem com unhas e dentes que a vida é mais importante do que qualquer outro valor independentemente das circunstâncias, existe uma adolescente de 15 anos que se não fizer o aborto está sujeita a não originar qualquer outra forma de vida, derivado ao seu feto ser portador de hidrocefalia. Onde uma advogada de defesa que está num cargo político pode ser a sua única esperança, pode ser complicado quando se acaba de vetar em relação ao aborto, e onde este veto é aprovado quase que por unanimidade. A única réstia de esperança é recorrer para o tribunal da apelação, que  apesar de os juízes serem seleccionados aleatoriamente, pode-se dar o caso de encontrar uma das suas amigas juízas que foi sua professora poder representar o caso,  e aí quem sabe encontrar uma solução.

Entrevista ao Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós

Em relação ao espiritismo ainda existe muita gente cética nos dias de hoje, apesar de atualmente termos muita informação seja em livros, em documentários já realizados ou outros.

 

13043807_149970255404142_3836275344143511815_n.jpg

Quero imenso agradecer a todos os Atores que vão participar nesta entrevista e que nos vão tentar fazer entender melhor esta ciência tão confusa, mas tão interessante que é o espiritismo

 

André Ferreira- Afinal o que é o espiritismo?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós- É uma filosofia de base científica e consequências ético-morais. Foi codificada por Allan Kardec no século XIX. “O Espiritismo é, ao mesmo tempo, uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. Como ciência prática ele consiste nas relações que se estabelecem entre nós e os espíritos; como filosofia, compreende todas as consequências morais que dimanam dessas mesmas relações. Podemos defini-lo assim: O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal.” Fonte: O que é o Espiritismo / por Allan Kardec. [tradução da Redação de Reformador em 1884] – 56. ed. 1. imp. – Brasília: FEB, 2013

 

André Ferreira-  Diz-se por aí que Alan Kardec é o pai do espiritismo, é mesmo assim?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós- No século XIX um fenômeno agitou a Europa: as mesas girantes. Nos salões elegantes, após os saraus, as mesas eram alvo de curiosidade e de extensas reportagens, pois moviam-se, erguiam-se no ar e respondiam a questões mediante batidas no chão (tiptologia). O fenômeno chamou a atenção de um pesquisador sério, discípulo do célebre Johann Pestalozzi: Hippolyte Leon Denizard Rivail. Rivail, pedagogo francês, fluente em diversos idiomas, autor de livros didáticos e adepto de rigoroso método de investigação científica não aceitou de imediato os fenômenos das mesas girantes, mas estudou-os atentamente, observou que uma força inteligente as movia e investigou a natureza dessa força, que se identificou como os “Espíritos dos homens” que haviam morrido. Rivail fez centenas de perguntas aos Espíritos, analisou as respostas, comparou-as e codificou-as, tudo submetendo ao crivo da razão, não aceitando e não divulgando nada que não passasse por esse crivo. Assim nasceu O Livro dos Espíritos. O professor Rivail imortalizou-se adotando o pseudônimo de Allan Kardec.

 

André Ferreira-  O livro dos espíritos de Alan Kardec é um livro com uma linguagem complexa, principalmente para quem nunca teve contacto com esta ciência ou pouco a entende, as palavras às vezes são confusas, e muitas vezes não estão ao alcance de todos. Como veem esta afirmação?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós- As traduções brasileiras, até então disponíveis, ainda oferecem à grande massa popular graves obstáculos para uma perfeita compreensão, não por falha dos tradutores – muito pelo contrário ­­, mas pela fidelidade com que verteram dos originais em francês para o português, mantendo a elevada elocução. Kardec, eminente autoridade em linguística, evidentemente, só poderia escrever à altura do superior nível cultural de seus contemporâneos. Desta forma, e nada mais justo, as versões procuram sempre equilibrar a linguagem.

 

André Ferreira- Afinal o que são espíritos bons ou espíritos maus?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós- Vejamos o que O livro dos Espíritos nos esclarece sobre o assunto: 76. Que definição se pode dar dos Espíritos? Os Espíritos são os seres inteligentes da Criação. Povoam o Universo, fora do mundo material. (Nota—A palavra Espírito é empregada aqui para designar as individualidades dos seres extracorpóreos e não mais o elemento inteligente do Universo.) DIFERENTES ORDENS DE ESPÍRITOS 96.Os Espíritos são iguais ou há entre eles qualquer hierarquia? “São de diferentes ordens, conforme o grau de perfeição que tenham alcançado.” 97.As ordens ou graus de perfeição dos Espíritos são em número determinado? “São ilimitadas em número, porque entre elas não há linhas de demarcação traçadas como barreiras, de sorte que as divisões podem ser multiplicadas ou restringidas livremente. Todavia, considerando os caracteres gerais dos Espíritos, elas podem reduzirse a três principais. “Na primeira, estão os que atingiram a perfeição máxima: os puros Espíritos. Formam a segunda os que chegaram ao meio da escala: o desejo do bem é o que neles predomina. Pertencerão à terceira os que ainda se acham na parte inferior da escala: os Espíritos imperfeitos. A ignorância, o desejo do mal e todas as paixões más que lhes retardam o progresso, eis o que os caracteriza. ”98. Os Espíritos da segunda ordem, que só se preocupam com o bem, têm o poder de praticá­lo? “Cada um deles dispõe desse poder, de acordo com o grau de perfeição a que chegou. Assim, uns possuem a ciência, outros a sabedoria e a bondade. Todos, porém, ainda têm que sofrer provas.”

”98. Os Espíritos da segunda ordem, que só se preocupam com o bem, têm o poder de praticá­lo? “Cada um deles dispõe desse poder, de acordo com o grau de perfeição a que chegou. Assim, uns possuem a ciência, outros a sabedoria e a bondade. Todos, porém, ainda têm que sofrer provas.” 99.Os da terceira categoria são todos essencialmente maus? “Não; uns há que não fazem nem o mal nem o bem; outros, ao contrário, se divertem com o mal e ficam satisfeitos quando encontram ocasião para praticá­lo. Há também os levianos ou estouvados, mais perturbadores do que malignos, que se comprazem mais pela malícia do que na malvadez e cujo prazer consiste em mistificar e causar pequenas contrariedades para rirem

 

André Ferreira- O que são anjos de Luz?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós-  Segundo a Igreja Católica, anjo é uma criatura espiritual que habita no céu e tem a função de mensageiro entre Deus e os seres humanos. A palavra anjo tem origem no termo grego ággelos que significa mensageiro, e são seres celestiais criados por Deus para serem mensageiros. Que existem seres dotados de todas as qualidades atribuídas aos anjos, isso não se poderia duvidar. A revelação espírita confirma, sobre esse ponto, a crença de todos os povos, mas nos faz conhecer, ao mesmo tempo, a natureza e a origem desses seres. As almas ou espíritos são criados simples e ignorantes, quer dizer, sem conhecimentos e sem consciência do bem e do mal, mas aptas a adquirirem tudo o que lhes falta. O objetivo que é a perfeição é o mesmo para todas, irão alcançar cada espírito em seu tempo, por questão do livre-arbítrio, todos nós temos os mesmos graus a percorrer, o mesmo trabalho a cumprir. Deus não faz uma missão nem mais longa nem mais fácil a umas do que às outras. Deus também não criou o mal, todas as suas leis são para o bem, foi o próprio homem quem criou o mal ao infringir as leis de Deus, se as observasse, e seguisse jamais sairia do bom caminho. Deus não dá experiência mas os meios de adquiri-la. Cada atitude maldosa é um atraso e sofre as consequências e aprende às suas custas o que deve evitar. É assim que pouco a pouco, se devolve as perfeições e avança na hierarquia espiritual até que tenha alcançado o estado de puro espírito ou anjo. Os anjos são então as almas dos homens que chegaram no grau de perfeição que o espírito comporta, aproveitando da plenitude da felicidade prometida. Antes de atingirem esse grau supremo, aproveitam da felicidade relativa ao seu adiantamento espiritual, mas essa felicidade não é ociosidade é a das funções que faz Deus confiar no espírito e dar ocupações maiores para ainda progredir mais. A humanidade não está limitada à terra, ela ocupa inumeráveis mundos que circulam no espaço, povoou aqueles que desapareceram e povoará aqueles que se formarão. Deus tem criado por toda a eternidade e criará sem cessar. Muito tempo antes, pois de que a terra existisse, por antiga que a suponhamos, teria havido, em outros mundos espíritos encarnados que percorreram as mesmas etapas que nós, espíritos mais recentes, percorremos neste momento e que alcançaram o objetivo antes mesmo que tivéssemos saído das mãos do criador. De toda a eternidade houve, pois anjos ou espíritos puros, mas a sua existência humanitária, perdendo-se no infinito do passado, é para nós como se tivessem sempre sido anjos. Fonte: Livro “O Céu e o Inferno”

 

André Ferreira- Existem pessoas que conseguem comunicar com espíritos, os chamados médiuns, como o conseguem fazer?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós- Como ocorre a comunicação entre encarnados e desencarnados, como identificar uma comunicação verdadeira de uma falsa e quais os problemas que podem surgir nessas ocasiões de contato são apenas algumas das perguntas importantes a serem consideradas quando se fala de comunicação com o mundo dos espíritos. Em O Livro dos Médiuns (1861), Allan Kardec diz que toda pessoa que sente a influência dos espíritos, em qualquer grau de intensidade, é médium. Trata-se de uma faculdade inerente ao ser humano e, por isso mesmo, não é um privilégio. “Pode se dizer”, ele explica, “que todos são mais ou menos médiuns”. O que, hoje em dia, pode parecer uma afirmação óbvia para qualquer um que estude parapsicologia, foi comprovado apenas cerca de 70 anos depois com as pesquisas do cientista norte-americano, J.B. Rhine, da Universidade de Duke, provando estatisticamente que as capacidades mentais, chamadas mediúnicas, estão presentes em larga escala da população, em maior ou menor grau. Para Kardec, Deus deu a mediunidade aos seres humanos para que eles penetrassem no mundo invisível estabelecendo, dessa forma, o contato com os espíritos. Isso, no entanto, só pode ser realizado por aqueles médiuns com capacidades acentuadas, sendo eles os responsáveis pelo contato entre o mundo dos encarnados e o dos desencarnados. E, apesar de existirem várias formas de se estabelecer esse contato, também é preciso tomar alguns cuidado.

A comunicação com os espíritos pode ocorrer de várias formas. As mais conhecidas são a psicografia, a psicofonia, a intuição, a inspiração, a premonição e a audiência, entre outras. No entanto, como explica Aluney Elferr, todas as comunicações se realizam por meio do perispírito. “Ele é o agente intermediador de todas as manifestações mediúnicas, posto que o espírito não pode agir sozinho sobre a matéria”. Os fenômenos estão ligados ao tipo de efeito que também varia de um médium para outro. Kardec ofereceu uma classificação que inclui médiuns de efeitos físicos; médiuns sensitivos; auditivos; falantes; videntes; sonâmbulos; curadores; pneumatógrafos (ou voz direta); psicógrafos. “A comunicação ocorre”, continua Elferr, “primeiramente pela vontade, que é o carro-chefe de qualquer ocorrência espiritual – tudo nasce no pensamento. Depois, a simbiose com o médium se dá por meio de afinidades pré-existentes”. Aluney entende que a psicografia se tornou tão comum na comunicação com os espíritos por ser fácil de ocorrer e de ser verificada depois de recebida. Seu desenvolvimento tornou-se possível também pela facilidade que os espíritos encontram para manifestar seus pensamentos com clareza e objetividade.

 

André Ferreira- Porque é que os espíritos permitem que certas pessoas consigam comunicar com eles e outras não?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós- Vide a resposta da questão anterior.

 

André Ferreira- Foi criado imagens nas nossas cabeças de um paraíso e um inferno, e figuras míticas, em que Deus foi criada a imagem do Senhor com uma Barba Grande e agarrada a uma cruz e o Diabo, aquela figura vermelha, com uns chifres. Qual a vossa opinião sobre isso?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós- O desenvolvimento da ideia de Deus e do processo religioso da Humanidade acompanha a evolução, intelectual e moral, do próprio ser humano. Uma conquista está inerente à outra. Quando […] os homens, fisicamente, pouco dessemelhavam dos antropopitecos, suas manifestações de religiosidade eram as mais bizarras, até que, transcorridos os anos, no labirinto dos séculos, vieram entre as populações do orbe os primeiros organizadores do pensa­mento religioso que, de acordo com a mentalidade geral, não conseguiram escapar das concepções de ferocidade que caracterizavam aqueles seres egressos do egoísmo animalesco da irracionalidade. (8) As primeiras manifestações de religiosidade estão, pois, relacionadas à realização de sacrifícios que poderiam agradar a Deus.

Primeiramente, porque não compreendia Deus como sendo a fonte da bondade. Nos povos primitivos a matéria sobrepuja o espírito; eles se entregam aos instintos do animal selvagem. Por isso é que, em geral, são cruéis; é que neles o senso moral, ainda não se acha desenvolvido. Em segundo lugar, é natural que os homens primitivos acreditassem ter uma criatura animada muito mais valor, aos olhos de Deus do que um corpo material. Foi isto que os levou a imolarem, primeiro, animais e, mais tarde, homens. De conformidade com a falsa crença que possuíam, pensavam que o valor do sacrifício era proporcional à importância da vítima. (4) A ideia primitiva de Deus é de natureza antropomórfica. Isto é, Deus é concebido e descrito sob a forma humana ou com atributos humanos. Incapaz, pela sua ignorância, de conceber um ser imaterial, sem forma determinada, atuando sobre a matéria, conferiu-lhe o homem atributos da natureza corpórea, isto é, uma forma e um aspecto e, desde então, tudo o que parecia ultrapassar os limites da inteligência comum era, para ele, uma divindade. Tudo o que não compreendia devia ser obra de uma potência sobrenatural. Daí a crer em tantas potências distintas quantos os efeitos que observava, não havia mais que um passo. (2) A concepção de Deus único, criador do universo, dos seres e coisas estava muito distante, em termos evolutivos, para ser cogitada pelos primeiros habitantes do Planeta. Tudo que lhes causavam impacto e extrapolava o seu entendimento era venerado como um deus. Importa considerar que o desenvolvimento da ideia de Deus acompanha outra: a da imortalidade do ser. Desde os pródromos da Civilização a ideia da imortalidade é congênita no homem. Todas as concepções religiosas da mais remota antiguidade, se bem que embrionárias e grosseiras em suas exteriorizações, no-la atestam. Entre as raças bárbaras abundaram as ideias terroristas de um Deus, cuja cólera destruidora se abrandaria à custa dos sacrifícios humanos e dos holocaustos de sangue, e, por toda parte, onde os homens primitivos deixaram os vestígios de sua passagem, vê-se o sinal de uma divindade a cuja providência e sabedoria as criaturas entregavam confiadamente os seus destinos. Merece destaque o fato de que nas religiões politeístas, do passado e do presente, exista uma hierarquia das divindades: um deus maior e mais poderoso.

Merece destaque o fato de que nas religiões politeístas, do passado e do presente, exista uma hierarquia das divindades: um deus maior e mais poderoso que governa deuses menores, em poder, inteligência e moralidade. Indica uma forma de transição do politeísmo, propriamente dito, para o monoteísmo. A palavra deus tinha, entre os antigos, acepção muito ampla. Não indicava, como presentemente, uma personificação do Senhor da Natureza. Era uma qualificação genérica, que se dava a todo ser existente fora das condições da Humanidade.

 

André Ferreira- O que é a reencarnação e como funciona?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós- O tema reencarnação é um assunto que gera muita curiosidade. Allan Kardec, em O Livro dos Espíritos, nos ensina que a reencarnação tem como objetivo fazer com que o espírito saia de sua condição de simples e ignorante para chegar a perfeição. Qual é a finalidade da encarnação dos Espíritos? Resposta: Deus a impõe com o fim de levá-los à perfeição: para uns, é uma expiação; para outros, uma missão. Mas, para chegar a essa perfeição, eles devem sofrer todas as vicissitudes da existência corpórea; nisto é que está a expiação. A encarnação tem ainda outra finalidade, que é a de pôr o Espírito em condições de enfrentar a sua parte na obra da Criação. É para executá-la que ele toma um aparelho em cada mundo, em harmonia com a matéria essencial do mesmo, a fim de nele cumprir, daquele ponto de vista, as ordens de Deus. E dessa maneira, concorrendo para a obra geral, também progredir. (O Livro dos Espíritos, questão 132) Entretanto, o que é reencarnação? A reencarnação diz respeito ao retorno do espírito ao corpo físico, ou seja, é o ato de nascer novamente em um novo corpo. O espiritismo nos ensina que, nós (espíritos encarnados), somos seres imperfeitos. E por conta disso, a reencarnação é aceita como uma lei natural. Já que permite a nossa evolução, além dos reparos das imperfeições que foram adquiridas em outras vidas.

 

André Ferreira- Existem pessoas que por vezes ao dormir sentem mesmo uma presença ao lado delas como realmente tivesse alguém ao pé destas. Será que está mesmo alguém ao pé destas?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós- Durante o sono o Espírito desprende-se do corpo; devido aos laços fluídicos estarem mais tênues. A noite é um longo período em que está livre para agir noutro plano de existência. Porém, variam os graus de desprendimento e lucidez. Nem todos se afastam do seu corpo, mas permanecem no ambiente doméstico; temem fazê-lo, sentir-se-iam constrangidos num meio estranho (aparentemente). Outros movimentam-se no plano espiritual, mas suas atividades e compressões dependem do nível de elevação. O princípio que rege a permanência fora do corpo é o da afinidade moral, expressa, conforme a explanação anterior, por meio da afinidade vibratória ou sintonia. O espírito será atraído para regiões e companhias que estejam harmonizadas e sintonizadas com ele através das ações, pensamentos, instruções, desejos e intenções, ou seja, impulsos predominantes. Podendo assim, subir mais ou se degradar mais. O lúbrico terá entrevistas eróticas de todos os tipos, o avarento tratará de negócios grandiosos (materiais) e rendosos usando a astúcia. A esposa queixosa encontrará conselhos contra o seu marido, e assim por diante. Amigos se encontram para conversas edificantes, inimigos entram em luta, aprendizes farão cursos, cooperadores trabalharão nos campos prediletos, e, assim, caminhamos.

 

André Ferreira- Como funciona os espíritos nos animais?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós- O espiritismo define o plano espiritual como uma realidade extra-física, onde os espíritos se encontram. Nele, existem diversas colônias espirituais, onde os chamados espíritos afins, no mesmo nível de evolução se agrupam, formando assim, sociedades. Já em relação aos animais, eles não possuem a consciência de si mesmo, não escolhem entre o bem e o mal, além de não serem submetidos à Lei de Causa e Efeito. De acordo com os espíritos superiores, em O Livro dos Espíritos, os animais não são espíritos errantes, ou seja, não possuem o livre-arbítrio. E por conta disso, não podem andar livremente pelo plano espiritual. Com isso, o que acontece quando eles chegam no plano espiritual? O Espírito da Verdade nos apresentou a seguinte consideração: “Sobrevivendo ao corpo em que habitou, a alma do animal vem a achar-se, depois da morte, nem estado de erraticidade, como a do homem? “Fica numa espécie de erraticidade, pois que não mais se acha unida ao corpo, mas não é um Espírito errante. O Espírito errante é um ser que pensa e obra por sua livre vontade. De idêntica faculdade não dispõe o dos animais. A consciência de si mesmo é o que constitui o principal atributo do Espírito. O do animal, depois da morte, é classificado pelos Espíritos a quem incumbe essa tarefa e utilizado quase imediatamente. Não lhe é dado tempo de entrar em relação com outras criaturas.” Ou seja, quando chega no plano espiritual, os animais são recebidos por Espíritos de Luz que os direcionam a determinados trabalhos, aprendizados, dependendo de seu grau evolutivo.

 

André Ferreira- No mundo cinematográfico, por norma, os filmes que abordam esta temática dos espíritos, salvo raras exceções, representa-os como sendo malignos, vingativos e surgem porque algo de mal aconteceu. Já que nos abordam a temática dos tabuleiros de Quija, apesar de haver sempre a tentativa de contatar alguém bom, é sempre libertado um espírito mau. Estas representações não farão com que as pessoas permaneçam céticas a tentar conhecer melhor o mundo do espiritismo, fazendo com que fiquem também com ideia errada daquilo que representam?

Centro de Estudos Espíritas Eça de Queirós-  Os assuntos "outro mundo", "fantasmagoria", "assombramento", "locais assombrados", "materializações" se reúnem no campo semântico de "mistério". E isso se transforma num campo fértil para um cinema que atrairá pelo sensacionalismo. Daí para o desvirtuamento da realidade espiritual, para atração de público, é um pulo. Pode-se ver que os filmes espíritas mesmo colocam como foco principal os ensinamentos evangélicos. "Nosso Lar" é um exemplo disso. Agora os filmes de terror manipulam os fenômenos espirituais desvirtuando "criminosamente" o espiritualismo. Isso é um pouco do que acho. (Carlos de Hollanda)

 

 

 

 

Entrevista com a Famosa Tarologa Ana Paula, a grande Annaym!

transferir.jpg

 

Primeiro deixe-me dizer-lhe que é uma honra enorme para mim tê-la aqui no meu Blogue para a realização de uma entrevista. Hoje de certeza que este Blogue vai ficar enriquecido com a sua participação.

 

André Ferreira- Ana Paula pesquisei algumas coisas sobre si, verifico que é vidente e também tarologa. Para nós que somos completamente leigos nesta matéria, existe uma grande diferença entre astrologia e vidência ou não? E se a mesma existe, quais são as maiores diferenças?

Ana Paula- Sou grata por me dar esta oportunidade de entrevista!

Sim existe diferença, a astrologia rege-se por astros e a vidência pela capacidade de ver o que o humano comum não vê.

 

André Ferreira- Quando é que Ana Paula descobriu pela primeira vez que tinha o dom da mediunidade?

Ana Paula- Com 3 anos de idade comecei por dizer que era Annaym e tinha vindo das estrelas. Aqui não era a minha casa. Sempre vi o que os outros não viam, revelei-me sempre totalmente diferente dos meus irmãos e crianças da aldeia onde nasci.

E por isso fui rejeitada, torturada no próprio seio familiar.

 

 

André Ferreira- Fala muito dos anjos de luz e da luz, que luz é esta a que se refere, e que todos nós precisamos dela, uma vez que esta transmite-nos aquilo a que nós chamamos a nossa paz interior?

Ana Paula- Anjos de luz somos todos, melhor todos somos Deuses a viver nestes corpos.

A luz e as trevas depende daquilo que cada um de nós vibra, pensa, sente e faz na sua vida.

Se fazemos o que para nós é o bem ou o mal, estaremos a revelar a nossa luz ou trevas, afinal tudo é subjetivo.

Não existem anjos. Existem seres multidimensionais que sempre contactaram a humanidade. Os anjos foram criados pelas religiões a fim de manipular a humanidade.

 

André Ferreira- Na sua opinião as pessoas muitas vezes não consultam pessoas que trabalham na área da Ana Paula, porque desacreditam completamente destas questões, ou porque tem medo daquilo que não conhecem?

Ana Paula- Bem, eu costumo dizer que prefiro aqueles que não acreditam nestas coisas, afinal são humanos fortes que sabem bem o caminho a trilhar e não precisam que ninguém lhe mostre nada. Mesmo de forma inconsciente atuam nas suas vidas enquanto Deuses criadores da sua própria realidade. Depois temos os que dizem não acreditar, que comentam na minha pagina mas passam a vida a tentarem consultas gratuitas e procuram resposta em todos. E tem de facto os que têm medo do que vão ouvir e por isso mesmo tentam evitar-nos e só nos procuram quando já não suportam mais a dor.

 

André Ferreira- A Ana Paula diria que aquilo que faz é um dom ou uma vocação?

Ana Paula- O que eu faço é para mim um Dom. Faço com amor e verdade. Ás vezes brinco dizendo que preferia ser como os que tiram cursos de Tarot ou outros, que revelam apenas o que o oraculo lhe mostra sem se importarem se estão a induzir o outro em erro ou não. Mas depois dentro de mim isso seria vazio e sem sentido. Não estaria a ajudar e sim a contribuir para maior destruição de quem me procura. Portanto sou grata pelo dom que me trouxe a este planeta.

 

André Ferreira- Já existiu alguma situação, uma vez que tem um consultório, e dá consultas, determinadas emoções de alguns pacientes fazer com que se deixasse levar pelas suas próprias emoções?

Ana Paula- Sim, muitas vezes me emociono com a vida e sofrimento dos que a mim chegam. Sobretudo quando os vejo tão perdidos que não vivem e sim vegetam. Quando estão destruídos e sem força para se erguerem. Quando estão sobre influencia de energias que não são suas e sim enviadas por outros e têm as suas vidas destruídas.

 

André Ferreira- Sempre quis seguir esta área de trabalho ou já algumas vez pensou noutras áreas diferentes?

Ana Paula- Sempre tive um trabalho convencional, pois tinha necessidade de me sentir “normal” , só agora na mudança para os Açores é que me dediquei a 100% e sem necessidade de me sentir diferente de quem sou e do que sou. Digamos que deixei de me preocupar totalmente com o que os outros dizem ou pensam sobre mim.

 

André Ferreira- Geralmente as pessoas procuram-na especialmente em que situações?

Ana Paula- Acredite que me procuram mesmo já no limite e depois de procurarem muitos outros e estarem fartos e gastar dinheiro sem soluções. E agora cada vez mais sou procurada pelos que estão a despertar e precisam de ajuda para entenderem o que se está a passar. Estamos a fazer um salto quântico para 5ªD e as pessoas sentem-se perdidas e ás vezes a enlouquecer.

 

André Ferreira- Quem quiser encontrar a Ana Paula e precisar de a sua ajuda pode encontrá-la onde?

Ana Paula- Podem contactar-me pela minha pagina do Facebook Tarologa Ana Paula, pelo telemóvel 927297353. Só dou consultas presenciais em Ponta Delgada.

 

André Ferreira- Já esteve no programa a tarde é sua numa entrevista, como foi para si contar a sua experiência da vida?

Ana Paula- É sempre muito duro recordar tudo de novo é como estar lá a vivenciar tudo novamente. Digamos que foi o que aconteceu quando escrevi o meu livro, um reviver tudo novamente para passar ao meu leitor.

 

André Ferreira- Por fim, e em jeito até um pouco em tom de brincadeira, uma vez que também falamos em vidência, e apenas por uma questão de curiosidade, conseguiria prever o que o meu futuro me reserva?

Ana Paula- Ninguém consegue prever o futuro, conseguimos ver no agora e o seu futuro vai depender da sua atitude no agora. O seu futuro é uma consequência deste agora. Em que papel está, no de vitima ou no do controle do seu destino e da sua vida? O seu futuro depende somente de si. Isto em tom de brincadeira mas muito verdadeiro, no entanto para responder com toda a clareza sobre o seu agora precisaria de vários elementos para me ligar a si, coisa que não disponho.

 

André Ferreira- Resta-me agradecer uma vez mais a sua disponibilidade e desejar-lhe os maiores sucessos!

Ana Paula- Eu é que agradeço a oportunidade e desejo-lhe todo de MELHOR QUE O UNIVERSO TEM PARA SI. UMA VIDA PROSPERA E ABUNDANTE. SEJA FELIZ!

André Ferreira- Muito Obrigada Ana Paula igualmente! ;)

 

A prostituta que um dia foi mãe!

prostituta-05.jpg

Era uma vez uma jovem com os seu 19 anos, mas a sua cara aparentava ser de uma pessoa de aproximadamente 40 anos de idade. Era uma jovem sofrida que outrora tinha passado por uma série de turbulências, tinha sido vítima de maus tratos e abusos por parte do seu padrasto. Quando passava na rua era conhecida pela puta Joana. Por todo o lado onde passava levava sempre com comentários menos agradáveis por parte daqueles que noutra altura terão sido os amigos de Joana. Comentários do estilo lá vai a puta Joana, mas ninguém percebia nada do que a puta da vida fez sofrer a Joana. Joana não tinha rumo nem maré, nem qualquer condição financeira que permitisse que ela fugisse dali, mas ela tinha que fugir, tinha que fugir para bem longe, e num desespero tremendo, a prostituição foi a única saída que ela encontrou. Joana estava cansada de se prostituir, nunca conheceu realmente o que era ser amada ou o verdadeiro amor, até que um dia aparece El Rei na vida de Joana. El Rei nunca quis revelar o seu nome, pois ocupava um cargo alto e uma posição a defender na sociedade. Mas a vida dele era uma merda, pois El Rei nunca foi amado também, este sabia que tinha dinheiro, e tentava ter alguma dignidade, mas no fundo não tinha amor, nem nunca tinha sido amado de verdade até conhecer Joana . Joana acreditara piamente que aos olhos dela, estava mesmo ali, estava ali o amor da sua vida! Um amor de uma vida que nunca tinha encontrado. Bastou apenas um olhar para que os dois se apaixonassem loucamente. João que na altura manteve-se como El Rei derivado a sua posição, e em querer manter o anonimato, hoje é muito feliz com Joana. Joana foi mãe, porque pela primeira vez Joana viu que podia confiar em alguém, e esta abdicou dos métodos contraceptivos na altura do ato sexual, o que mais tarde veio a revelar uma gravidez. A Joana não tem doenças, o João El Rei não tem doenças, e o pequeno Tobias é uma das crianças mais felizes à fase da Terra. Hoje vivem todos Felizes na cidade Romântica de Paris.

Entrevista com o Sr. Dr. Palhaço Fernando Terra do Projecto Rugas de Riso

66391170_991550147718573_1288343910803832832_n.jpg

 

 

Fernando Terra muito obrigado por teres aceite o meu convite, é uma honra ter-te aqui como meu amigo e com o conhecimento que tu tens. Hoje vamos ficar mais ricos de certeza. Obrigado uma vez mais pela tua disponibilidade.

 

André Ferreira- Para quem não conhece o Fernando Terra quem é o Fernando Terra?

Fernando Terra- Sou natural do Brasil e vivo em Portugal desde 1999. Tenho formação na área de teatro e sou músico autodidata. Casado com a escritora Rosana Antonio e com dois filhos (Leticia e Matteo). Sempre acreditei na arte como ferramenta de transformação. Não me vendo e não vou em “modas”. Tento ser o mais coerente possível comigo mesmo e dificuldades, pra mim, são aprendizagens. Em 2001 comecei a investigar e desenvolver a arte do palhaço e hoje sou formador internacional de clowning. Trabalho em simultâneo em Portugal e Itália, colaboro com alguns projetos sociais e sou diretor artístico da Associação MELECA, que dentre seus projetos, gere o programa Rugas de Riso.

 

André Ferreira- Quando é que surgiu este projeto de palhaços para idosos?

Fernando Terra- Surgiu quando estive numa longa temporada (de 2 anos) em Roma (Itália). Estávamos nos preparando para voltarmos para Portugal quando me veio a ideia de trazer para Portugal algo que ainda não existia. Um programa específico de palhaços para idosos em lares e instituições de acolhimento. E assim nasceu o programa Rugas de Riso, que hoje conta com 5 artistas profissionais, com treinamento para atuação em contexto clínico e recebe também a coordenação de Rosana Antonio

 

André Ferreira- Porquê o nome Rugas de riso?

Fernando Terra- Ouvi uma vez que as nossas marcas de expressão surgem quando dobramos a pele mais de mil vezes. Ou seja, vamos criando marcas no nosso rosto ao longo da vida. Marcas da vida, portanto. Quando pensámos num nome para o projeto vieram muitas ideias e até chegámos a experimentar algumas delas, até que tivemos a ideia de aproximar dois mundos: Idosos e Palhaços. Daí veio a ideia das rugas e - como diz a Rosana - se for para termos rugas, que sejam de riso. Assim juntamos as rugas ao riso, que é a marca do palhaço, apesar de o palhaço trazer muito mais que o riso com ele. Achámos o nome divertido, complementamos o logotipo com um jogo de dominó. O dominó é visto em todos os lares que visitamos e a ação dos palhaços em improviso chamamos de “jogo”. E assim fomos costurando uma grande colcha de ideias que nos levaram ao nome Rugas de Riso.

 

André Ferreira- Oual é o trabalho que é realizado pelos profissionais Rugas de Riso?

Fernando Terra- Visitamos lares e instituições de acolhimento de idosos através de palhaços profissionais, que recebem formação contínua. Temos o objetivo de não infantilizar o idoso. Trabalhamos a auto-estima, o estímulo psico-motor, a escuta ativa, redefinimos o ambiente e contribuímos para que pacientes em situação paliativa possam reorganizar suas ideias através de momentos poéticos com base no teatro físico e da comédia dell’arte.

Toda ação é antecipada por uma conversa séria com as enfermeiras ou diretores técnicos das instituições que visitamos.

Defendemos a regularidade das visitas porque acreditamos no poder da relação entre nossos Senhores Palhaços e os utentes.

 

André Ferreira- O que é preciso ter para ser um palhaço Rugas de Riso?

Fernando Terra- É preciso ser artista acima de tudo. Ter capacidade de gerir suas emoções diante de situações frágeis. Ter a capacidade de falar com seriedade quando necessário (com os profissionais de saúde), ser capaz de trabalhar em dupla e em constante improviso.

Também exigimos rigor no trabalho e compromisso dos profissionais que trabalham connosco. Vale lembrar que são profissionais remunerados pela sua qualidade profissional e pelo tal compromisso com o projeto.

 

André Ferreira- Como é que é ser palhaço de Idosos, sendo que esta é uma população cada vez mais abandonada sobretudo pela população mais jovem e não só, vivendo muitas vezes numa solidão extrema, e sem ter ninguém que os apare. Qual a importância na tua opinião deste trabalho?

Fernando Terra- Como disse antes, trabalhamos muito através das relações criadas entre nós e os utentes. Portugal tem cada vez mais uma população mais envelhecida. Vários são as carências nesta área. Posso dizer que há seis anos, quando começámos, víamos a situação pior do que hoje. O número de pessoas com demência vem aumentando e acho que todas as iniciativas complementares a terapia, desde que sejam sérias e de qualidade, devem ser bem vindas e valorizadas pela população. Nossos questionários de avaliação demonstram 100% na aceitação do Rugas de Riso e há cada vez mais instituições que nos ligam e nos convidam para visitar, não só no concelho de Mafra, mas em vários outros do país e até no exterior. No Canadá fomos tema de uma aula na faculdade de Toronto, o Brasil, a Itália e a Polónia (grupos desses países) estão a nos contactar para intercâmbios e para darmos formação e instituições públicas e privadas nos tem apoiado cada vez mais.

 

André Ferreira- O que é necessário ter para poder-se ser um palhaço de idosos?

Fernando Terra- Responsabilidade, Sensibilidade e Técnica. Palhaço não é uma fantasia de carnaval, é uma arte muito complexa que só quem não tem ideia da dimensão dela acha que é fácil. Ser palhaço não é saber contar piadas e nem ser engraçadinho. É a arte contrária do ator. Não há personagens, na verdade. Há somente a pessoa elevada a um exponencial altíssimo.

 

André Ferreira- Geralmente este trabalho com os idosos, é feito em que locais?

Fernando Terra- Nosso foco principal são os lares. Mas atuamos em centros de dia e até já atuamos na rua.

 

André Ferreira- Fugindo um pouco do tema, sei que tens uma academia de teatro na Ericeira chamada Associação Meleca. Queres aproveitar a oportunidade e falar-nos um pouco deste teu projeto?

Fernando Terra- Na verdade a MELECA é o nome da associação que gere vários projetos. O Rugas de Riso é um deles, a Academia de Teatro é outro projeto também gerido pela MELECA.

Neste momento a MELECA conta com cerca de 50 alunos de teatro que duas vezes por ano sobem aos palcos. Somos 3 professores que atendem 7 turmas de alunos com idades a partir dos 3 anos.

Trabalhamos o sentimento de grupo, a concentração, a criatividade, o não-protagonismo, tudo através de espetáculos teatrais com uma estrutura profissional, onde os nossos alunos/artistas superam dificuldades em conjunto e individualmente, com o suporte dos professores e a preciosa colaboração dos pais, avós e tios. Somos uma grande família.

Durante os meses de julho e agosto realizamos workshops gratuitos para todos que se interessam pelo teatro e já estamos com inscrições abertas para o próximos semestre com início na primeira semana de setembro.

 

André Ferreira- A nossa população tem vindo em envelhecer dia para dia, mas as preocupações que no fundo são responsabilidade de todos nós, por vezes ficam esquecidas. Não sei se concordas  ou não com esta afirmação, e qua él a tua opinião sobre a mesma?

Fernando Terra- Concordo. Acho que há um conceito ultrapassado sobre o idoso. Idoso é quem tem mais idade. Diferente de velho. O ocidente criou-se um conceito que junta as palavras idoso e velho num único espaço. Velho é o que não serve para nada. Idoso é o que acumulou história e conhecimento. Quem finge que este problema não existe fatalmente cairá sobre o mesmo daqui uns anos. Mas acho que pouco a pouco estamos a construir uma nova forma de pensar. Talvez não iremos viver tanto para presenciar a mudança que está a começar, mas eu sou otimista. Quanto ao sentimento de responsabilidade, acho que enquanto os pais continuarem a privar os filhos dos problemas, remediando-os com pequenos aparelhos que alienam os meninos e enquanto as escolas não mudarem seu conceito de ensino (que repete um formato de mais de 100 anos), o prolongamento da evolução de mentalidade só tente a crescer. Infelizmente o ser-humano é medroso e evita as mudanças e tente esquivar-se dos problemas.

 

André Ferreira- Gostavas que deixasses um conselho não só a todos os profissionais que trabalham na área da geriatria como a todos nós cidadãos que também temos responsabilidades para com estas pessoas?

Fernando Terra- O único conselho que posso deixar é VAMOS CUIDAR DE NÓS. Abrir as mentes, ter maior noção de espaço, não invadir o espaço do outro e não impedir o crescimento do outro.

 

André Ferreira- Por fim diz-me Fernando Terra, como é para ti trabalhar na Rugas de Riso?

Fernando Terra- Eu faço aquilo que gosto. Tenho muito orgulho do caminho que o Rugas de Riso já trilhou até aqui e tenho a consciência que ainda não é nem o começo. Tenho muito carinho por quem visitamos e nunca aprendi tanto em toda minha vida.

Quero deixar aqui o convite a quem nos quiser conhecer de não hesitar em contratar a nossa associação MELECA, que fica no Parque Santa Marta, na Ericeira.

E não posso deixar também de dizer que somos um projeto independente que precisa de apoios. Há dezenas de pessoas que já colaboram connosco todos os meses. Estas colaborações são sempre revertidas a visitas a lares de idosos.

 

André Ferreira- Resta-me agradecer toda a tua disponibilidade Fernando Terra e desejar-te todo o sucesso para todos os teus projetos e que continues a distribuir sorrisos!

Para quem quiser saber mais sobre o Projeto Rugas de Riso, Deixo-vos aqui o link de acesso Direto ao youtube:

https://www.youtube.com/watch?v=pxMMmUF2QuY&t=381s